Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 21 de janeiro de 2012

Dezessete Luas (Beautiful Creatures #2), de Margareth Stohl e Kami Garcia

Desculpem a ausência nesses últimos dias, estávamos viajando, mas já estamos de volta! Vamos ao que interessa?
Primeiro: como vocês devem ter reparado, Dezessete Luas é a continuação de Dezesseis Luas, então se você não leu o primeiro livro, pule para o próximo post. Segundo: se você ainda não leu minha resenha de Dezesseis Luas, leia aqui.
Bom, primeiramente queria dizer que as autoras devem estar de brincadeira. Como assim elas conseguiram fazer com que Dezessete superasse Dezesseis Luas? Como elas conseguiram melhorar esse mundo que já era tão bom, criativo, misterioso, etc?
A historia desse volume começa alguns dias após a morte de Macon Ravenwood. Lena está deprimida e não consegue lidar com a morte do tio, e por isso evita Ethan, não vai mais à escola, para de escrever seus poemas e começa a andar com a prima Conjuradora das Trevas, Ridley, e com John Breed, um cara misterioso que não parece com nada que já tenham visto antes. Além disso, a relação de Ethan e Lena começa a desmoronar com a chegada de Liv, sobrinha da bibliotecária de Gatlin, que vai balançar o coração do garoto. As coisas só pioram cada vez mais, até que Lena decide fugir com Ridley e John. Então Ethan, Link e Liv têm que correr para salva-la antes que alguma coisa mais grave aconteça.
Em comparação com o primeiro livro da série (que é bem introdutório), Dezessete Luas é bem mais rápido. Não há tantas descrições e apresentações de personagens, e isso faz com que o livro tenha um ritmo mais acelerado. E o mistério é continuo: a cada página há uma revelação ou alguma coisa que vai fazer você ficar pensando naquilo até que o livro acabe, ou até depois disso.
E a trama mais uma vez foi brilhantemente escrita. É um livro sem falhas e imprecisões. E os personagens secundários ganharam muito mais destaque. Link, o melhor amigo de Ethan, se tornou um dos melhores personagens, desempenhando um papel importantíssimo na trama e dando um ar mais engraçado a situação. Liv, a personagem nova, foi muito bem construída e já na sua primeira fala, já nos apaixonamos por ela. Ridley foi uma que surpreendeu, mas não posso dar spoiler.
E o final, como sempre, deixa um brecha para o próximo volume dessa série que me surpreende cada vez mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário